terça-feira, 29 de setembro de 2009



Agulhas do Destino

A vida segue as cósmicas
Por entrelaçados desencontros
Sem notar o espaço-tempo

Através de linhas invisíveis
Que são conduzidas ao vórtice
Do suposto repouso do nada

Costuradas em finos retalhos
As memórias pulsam devagar
Em busca da dividida lógica

Eis a questão de Sócrates
No porquê de Shakespeare
Que culmina em raios de luz

Assim é a agulha do destino
Afiada como fio de navalha
Ligando o surreal ao abstrato

Autor: Eriol

4 comentários:

  1. Um maluco mais um doidão , deu nisso.... show de bola! hehehee

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. meu amor, que coisa mais linda! parabenss pros 2!!!!!!!
    amo vc!

    ResponderExcluir
  4. Sshow de bola manos... parabens! dukralho!

    ResponderExcluir